Está pensando em jogar seu mochilão no porta-malas e explorar a terra dos cangurus de carro? Então dê uma olhada nas dicas a seguir.

A Austrália é um país enorme. Enorme e inóspito.

Para aqueles que se aventuram em cruzá-la de carro, são horas e horas de imensidão vazia – sem cidades, sem postos de gasolina, sem pessoas. Sinal de celular é uma coisa rara; placas de sinalização também.

Nós já sabíamos disso tudo. Então, quando resolvemos cobrir mais de 18.000 quilômetros de chão australiano em um Saab conversível, só nós dois, eu e Tom fizemos questão de nos prepararmos o máximo possível.

Austrália
Nossa rota aproximada em quase três meses de viagem de carro pela Austrália.

De forma geral, eu diria que fizemos nosso dever de casa e conseguimos evitar vários imprevistos desagradáveis. Mas isso não quer dizer que tudo deu certo. Afinal, a realidade é sempre muito diferente do que a gente espera, não é mesmo?

Para te poupar de alguns desses imprevistos desagradáveis, eu fiz uma listinha com as dicas mais úteis para quem quer fazer uma viagem de carro pela Austrália, longa ou não.

Eu sei, eu sei – algumas dessas dicas são extremamente batidas, mas elas se provaram verdadeiras para nós então é bom reforçar. Outras a gente aprendeu na marra mesmo e espera que ninguém mais tenha que passar por isso.

De qualquer forma, curta muito sua viagem, cometa suas próprias gafes e leve o seguinte em consideração:

1. Não dirija à noite

Este é o conselho que você mais vai escutar – e com motivo. Fora das cidades, você nunca, em hipótese alguma, deve dirigir à noite.

Explico: a Austrália tem uma quantidade enorme de animais livres, tanto selvagens quanto domésticos. Cangurus, vacas, emus, wallabies, cavalos, camelos (sim, camelos)… Estão todos vagando aos montes pelo outback e o pior – eles são atraídos pelas luzes dos faróis dos carros. Se jogam na nossa frente com tudo!

Considerando que as próprias estradas praticamente não têm iluminação, você só vai ver o bicho quando ele estiver a literalmente a um metro do seu carro. E aí é tarde demais.

Você consegue imaginar uma vaca de 700 kg entrando pelo seu para-brisa? No mínimo, vai destruir seu carro e, muito possivelmente, sua viagem – sem contar no óbvio risco à sua segurança. Simplesmente não vale à pena.

Os caminhões e 4×4 australianos que estão “acostumados” a viajar à noite se preparam de acordo: eles têm uma grade de ferro na parte da frente do veículo feita para transmitir a força do impacto e pulverizar o bicho antes que ele sequer encoste na lataria.

27913703845_65df132786_o
Um caminhãozinho australiano e seu típico “roo bar” – a barra de canguru. (fonte: https://www.flickr.com/photos/8356444@N03/279137038450)

Eu, pessoalmente, fiquei arrasada quando atropelei um passarinho – então pra mim essa estratégia não funciona.

Mas se atropelar os animais não for problema pra sua consciência, você sempre tem a opção de alugar um carro com essas barras (ou instalar uma no seu próprio carro) e dirigir à noite sem medo.

Caso contrário, o jeito é ficar atento aos horários de nascer e pôr do sol e planejar seu trajeto de acordo com o tempo disponível. Não se esqueça de deixar uma margem de erro de mais ou menos uma hora, para cobrir possíveis imprevistos.

2. Tenha um bom seguro

Já que estamos no assunto de carro, vamos aproveitar para falar o óbvio: faça um seguro muito bom para o seu carro. Mas um seguro muito bom mesmo, que cubra desde pequenos danos ao veículo (como arranhões na lataria ou rachaduras no para-brisa) até deslocamentos enormes em caso de reboque ou mesmo uma boa compensação para perda total.

E não deixe de ler todas as letrinhas miúdas pra saber exatamente as condições do que você está levando.

Nós achávamos que tínhamos o melhor seguro do mundo até que, na hora do sufoco, ficamos na mão. Aparentemente, só era o melhor seguro do mundo dentro do nosso estado de residência – a Tasmânia. Para o resto da Austrália era bom, mas não o suficiente.

Resultado: (quase) nos fudemos.

Se possível, também é bom levar alguns itenzinhos básicos de manutenção, como um kit de ferramentas, compressor de ar (para encher os pneus) e auxiliar de partida (se a bateria acabar).

Com sorte, você não vai precisar de nada disso.

3. Tenha um bom seguro (II)

Você é esperta e sabe muito bem que nunca devemos viajar sem seguro de vida, certo? Então não vou me demorar aqui.

Só vou falar pra você prestar atenção especial às condições de resgate aéreo (o hospital mais próximo pode estar a 800 km de distância) e à cobertura de atividades consideradas arriscadas, como mergulho e bungee jumping. Eu costumo utilizar o World Nomads e sempre fui muito bem atendida.

E não se esqueça do kit de primeiros socorros!

IMG20180711115038.jpg
Minha queimadura de água-viva. Sem o kit de primeiros socorros, com gaze e pomadinha calmante, eu provavelmente teria arrancado minha própria mão (coçava muito mesmo).

4. Compre um chip da Telstra

Não adianta nada ter bons seguros se você não consegue sequer falar com eles. E a verdade é essa: exceto pelos centros urbanos e atrações turísticas maiores, vai ser difícil conseguir sinal de celular viajando pela Austrália.

A não ser que você compre um chip da Telstra.

Não é a empresa mais barata, mas é, de longe, a que tem a maior e melhor cobertura. E eu falo isso por experiência própria.

Quando nos mudamos para a Tasmânia, o Tom foi “forçado” a mudar de chip – da Vodafone, que nós dois usávamos, para essa Telstra – porque ia trabalhar no meio do nada e nenhuma outra empresa tinha sinal no lugar.

Sorte a nossa. Sem esse inconveniente, teríamos saído de viagem os dois com chips da Vodafone e teríamos ficado incomunicáveis por grande parte do tempo.

Também é importante lembrar que mesmo a internet fixa na Austrália é bastante ruim e nem sempre dá pra contar com WiFi de AirBNBs e hotéis (os de camping, então, só com um milagre).

Então gaste um pouquinho mais e compre um plano com muitos dados da Telstra, vai facilitar muito a sua vida.

Telefone via satélite

Se sua ideia é comprar/alugar um 4×4 e se aventurar pelas remotas estradinhas de terra australianas, você vai precisar de um telefone via satélite. Simples assim.

Eles são caríssimos, então sugiro alugar.

5. Leve roupas de frio

As pessoas costumam pensar que a Austrália é um grande deserto escaldante com belas praias ao redor. E só.

O que elas esquecem é que, graças à falta de água, desertos que são escaldantes durante o dia ficam realmente gelados à noite. Sem contar que a Austrália fica mais ao sul que o Brasil – inclusive, neva em várias partes do país no inverno.

Vá preparada e leve roupas de frio decentes, de preferência daquelas que você pode usar em camadas.

Como assim?

Bom, em vez de um único casacão acolchoado, leve uma blusinha de manga comprida, um suéter, um moletom e um casaco impermeável. O mesmo vale para as pernas (meia fina, leggings, etc.). Assim você pode tirar e pôr conforme necessário, sem contar que cabe muito melhor na mala.

Não se esqueça das luvas, cachecol e gorrinho – sim, eles podem ser necessários mesmo no verão. Especialmente para quem for acampar.

6. Garanta sua estadia

Os mochileiros de carteirinha como eu sabem que uma das melhores maneiras de se planejar viagens longas é não planejar. Você compra a passagem, agenda acomodação para a primeira semana e depois vê o que acontece.

Assim você não fica preso em planos – pode ir pra onde quiser, quando quiser e com quem quiser. Maravilhoso!

Infelizmente, minha experiência na Austrália me mostrou que isso nem sempre funciona muito bem. Grande parte dos destinos turísticos do país não têm uma boa estrutura para receber muita gente: falta transporte, falta acomodação, as entradas em parques e atrações são extremamente limitadas.

Isso significa que, se você for deixar pra reservar tudo em cima da hora, você corre o risco de pagar super caro (vamos lembrar que hoje, 20/01/20, um único dólar australiano está custando R$ 2,80) ou mesmo de não conseguir fazer as coisas/ir aos lugares que estão na sua lista.

Então elabore um roteirinho, determine algumas datas aproximadas e tente fazer reservas pelo menos para aqueles lugares que você faz questão de conhecer, especialmente se você pretende visitar a Austrália em época de férias (que são as mesmas do Brasil).

7. Cuidado com os alimentos perecíveis

Além de estragarem super rápido (sim, mesmo com bolsa térmica… sim, mesmo no inverno), eles podem atrair animais selvagens quando você estiver acampando.

8. Leve binóculos

Alguns bichos pulam na frente do seu carro, outros atacam sua barraca procurando comida à noite. Fato.

Mas isso não significa que, só de ficar passeando de carro, você vai conseguir encontrar toda a vida selvagem australiana. E a vida selvagem australiana é um dos melhores motivos para conhecer o país de carro.

Leve um binóculo para aumentar suas chances de ver mais coisas, especialmente animais marinhos e as aves, que são muitas e absolutamente maravilhosas.

IMG-20180621-WA0001.jpg
O kookaburra – uma espécie de martin pescador enorme – é minha ave australiana preferida. Por sorte, esse gordo veio me visitar enquanto eu trabalhava em um camping (e ainda comeu as baratas que estavam em volta).

9. Tenha bastante entretenimento offline

No meio do outback, rádios não pegam – muito menos internet, como já mencionei. Então se você gosta de viajar ouvindo músicas ou podcasts, se você gosta de assistir videozinhos do youtube ou séries do Netflix antes de dormir, se você quer ter acesso a qualquer tipo de conteúdo: baixe tudo antes e garanta o acesso offline.

Isso não só é importante para quem faz questão de estar conectado, mas também como distração. Cruzando a Austrália Meridional, por exemplo, nós tivemos três dias praticamente inteiros só dirigindo. Não rolou uma vilazinha sequer, dormimos em campings na beira da estrada.

Imagina o tédio!

O entretenimento é importante pra te distrair, para te manter alerta (essencial em estradas tão monótonas) e para você não querer matar o coleguinha de viagem.

10. Planeje a gasolina com antecedência

O combustível na Austrália é caro, não tem jeito. E em uma viagem longa por uma região inóspita, você corre o risco de ficar sem.

Minha primeira recomendação aqui é a mais óbvia: leve um galão extra de gasolina, de preferência em um recipiente de metal (e não de plástico), que é mais seguro e conserva a qualidade do combustível por mais tempo.

Minha outra sugestão é utilizar o aplicativo Fuel Map Australia. Ele te dá não só a localização dos postos de abastecimento do país, mas também o preço da gasolina em cada um deles, com as últimas datas de atualização (o que é super útil, pois uma data antiga geralmente indica um posto inativo).

Assim, você pode planejar cada parada para abastecimento de acordo com a capacidade do seu carro e com o preço mais barato. Se tudo der errado, o galão está lá para cobrir o trajeto até o posto mais próximo.

11. Leve MUITA água

Parece conselho de mãe né? Mas é super válido.

Leve no mínimo os tradicionais 2 litros d’água por dia por pessoa, além de água para cozinhar caso você pretenda levar o próprio equipamento para isso (o que eu recomendo também, deixa a viagem bem mais barata).

12. Vá em boa companhia

Antes de começar a escrever esse post, eu perguntei ao Tom que dicas ele daria para alguém que quer fazer uma viagem de carro pela Austrália. Ele repetiu algumas coisas que eu já tinha pensado – leve roupas quentes, tenha um bom seguro para o carro, evite os alimentos perecíveis – e aí ele disse algo que foi muito bonitinho e muito verdade:

You don’t need the perfect car for the trip, you need the right mindset and company.” Ou seja, você não precisa do carro perfeito (o nosso estava longe disso!), você precisa é da mentalidade e da companhia certas.

Então esteja preparado para muita coisa dar errado, para mudar de planos se necessário e para fazer concessões. Problemas vão surgir e sua única opção vai ser lidar com eles, geralmente tendo recursos muito escassos à disposição. Faz parte de cair na estrada por tanto tempo e em um lugar tão inóspito.

E vá com alguém que dê conta dessa empreitada maluca com você. Alguém que seja divertido e paciente. Que ajude nos momentos difíceis e que torne os momentos bons ainda melhores. Ah – e alguém que, de preferência, saia bem nas suas fotos.

IMG-20180526-WA0007.jpg