As Ilhas da Baía, em Honduras, têm muito mais a oferecer do que um bom mergulho. Aqui você descobre como chegar lá!

Se um dia você for mochilar pela América Central , vai perceber que existe um caminho muito bem estabelecido pelos turistas para atravessar o continente. É o que o pessoal chama de gringo trail, um trajeto que vai da península de Yucatán, no México, até o Panamá.  Algumas pessoas estendem a viagem até a Colômbia, outras aproveitam a proximidade e dão um pulinho em Cuba, mas no geral o roteiro é sempre o mesmo.

Exceto por Honduras.

Honduras é a ovelha negra da América Central. Muita gente acha que o país é violento demais, ou que não tem nada muito interessante para se fazer lá, e passa direto da Guatemala para Nicarágua (ou vice-versa).

Mal sabem o que estão perdendo! A verdade é que Honduras pode ser o paraíso, especialmente para quem gosta de belas praias, mergulho e festa. No litoral norte do país, voltadas para o Caribe, ficam as Ilhas da BaíaRoatan, Utila e Guanaja – que, em beleza e natureza, não deixam nada a desejar à outras praias caribenhas. E, pra quem quer mergulhar então, esse é um dos melhores lugares das Américas.

Mas como chegar a Utila e Roatan? Você tem duas opções: avião (o aeroporto de Roatan recebe inclusive voos internacionais) ou barco. As balsas tradicionais partem de La Ceiba, no continente, e fazem duas viagens por dia, uma de manhã e uma de tarde, tanto para Utila (Utila Dream, aproximadamente 25 dólares) quanto para Roatan (Galaxy Wave, aproximadamente 33 dólares).

Alguns detalhes importantes:

  • Não deixe de conferir os horários diferenciados se for viajar em feriados ou fins de semana;
  • As balsas balançam MUITO! Eu me diverti horrores, mas a galera passava super mal – vá preparado;
  • Crianças e idosos têm desconto;
  • A mesma balsa que faz o trecho La CeibaUtila também faz UtilaRoatan, e vice-versa;
  • Atenção à data do post! Estas informações valem para fevereiro de 2017.

Se você estiver com dinheiro – e tempo – sobrando, também pode olhar os aluguéis de barcos particulares que partem de outras cidades, inclusive de Belize, Guatemala e Nicarágua. As saídas costumam ser em datas específicas (e bem raras, do tipo uma vez por mês), mas aposto que o visual vale à pena!

Por fim, você pode deixar sua viagem a cargo de uma das muitas agências disponíveis (sério mesmo, tem agência pra todo lado) e elas fazem tudo: te pegam no seu hostel, atravessam fronteiras, fazem todas as conexões – e te entregam nas ilhas, são e salvo. Essa é uma boa opção pra quem não está muito a fim de planejar, porque vou te dizer, o acesso à La Ceiba não é dos mais fáceis.

No meu caso, eu parti de Copán, uma cidadezinha que fica à oeste de Honduras, quase na fronteira com a Guatemala. O primeiro ônibus saía da ponte na entrada da cidade  às seis da manhã. Tinha que ser esse mesmo, porque saindo mais tarde você corre o risco de perder a balsa no fim da tarde. Era um cata jeca disfarçado de ônibus normal. Em aproximadamente 4 horas, o ônibus me deixou na monstruosa rodoviária de San Pedro Sula, a maior cidade de Honduras e de onde saem todos os transportes em terra para qualquer lugar do país.

Uma espera de uma hora na rodoviária, e o próximo ônibus me levou até La Ceiba, onde eu peguei um táxi até o porto e, aí sim, a balsa até Roatan. Dentro de Roatan o sistema de transporte é péssimo. Existem algumas vans que fazem o papel de transporte público, mas os trajetos são super limitados e lentos. Fora isso, sua única alternativa é pegar um caríssimo táxi, ou alugar um carro/moto.

Se, como eu, você chegar a Roatan de noite – e cansado depois de 12 horas de viagem – é melhor procurar alguém que vá para o mesmo lado que você e barganhar um táxi. Em teoria os preços são tabelados, mas se você chorar um pouco, eles fazem um descontinho.

Quanto a Utila, não tem como errar. Quase todos os estabelecimentos ficam alinhados na maior (e praticamente única) rua da ilha, e ela é perfeitamente andável. Se você estiver cansado, carregando muito peso, ou com o pé torcido, pule num tuk tuk e ele te leva a qualquer lugar da ilha por 2 dólares.

Só vou ficar te devendo uma informação: como chegar em Guanaja. A mais distante das Ilhas da Baía é também considerada a mais bonita e a que tem os melhores mergulhos – pelo menos de acordo com os hondurenhos com quem conversei -, mas é também a de mais difícil acesso. Sei que existem vôos (caros e inconstantes) e barcos privativos (ainda mais caros e mais inconstantes) a partir de Roatan e de La Ceiba; mas não sei te dizer os preços exatos nem onde procurar as empresas que fazem este transporte.

Taí, vou deixar isso de para casa: o primeiro que chegar a Guanaja, volta aqui a conta pra gente como você fez. Combinado?

Tá valendo!