Porque ainda tem gente que acha que o mundo gira em torno do próprio umbigo – e você vai ter que dividir quarto com essas pessoas.

O post dessa semana vai ser curto e grosso.

Primeiro porque eu estou sem tempo – consegui uns trabalhos legais de tradução pra fazer ao longo do caminho, mas o prazo é curto e eu já estou enlouquecendo na frente desse computador. Segundo porque eu tive uma má sorte do inferno ao longo dessa última semana com meu hostel em Santiago e agora preciso desabafar com alguém.

Por favor, não tomem esse post como base pra todos os hostels do mundo. Eu adoro ficar em hostel! É barato, é aconchegante, você conhece um monte de gente legal… Claro, a gente às vezes tem uns probleminhas – até ficando em resort cinco estrelas você pode ter problemas -, mas eu estou em meio a uma onda de azar: cada pessoa que vai embora do meu quarto é substituída por outra pior.

Sério, gente, é tão difícil assim ter um mínimo de educação e consideração com o coleguinha? Você está dividindo o quarto com mais três, sete, às vezes onze pessoas! Isso significa que você não está em casa e tem que agir de acordo. Vamos à algumas regrinhas básicas (e óbvias!):

  • Todos usamos despertadores, nem que seja pra acordar a tempo do café da manhã – super normal, não tem problema nenhum. Mas quando seu despertador toca, você desliga ele e levanta. Não fique batendo no botãozinho de soneca a cada dez minutos por uma hora e meia, nós somos inocentes e não merecemos essa tortura psicológica.
  • Se você quer escutar música, use fones de ouvido. Não me importa se a música é boa, não me importa se você está fazendo esquenta pra balada, não me importa se seus amigos querem escutar também. Eu não quero ouvir e pronto. Aliás, essa regra serve não só pro quarto, mas pro hostel inteiro.
  • Se você entra no quarto depois de meia noite e já tem gente dormindo, você não acende as luzes – usa seu celular, uma lanterna, a lâmpada individual da sua cama (se tiver), a luz do banheiro… sei lá, se vira! Ah, e tente falar baixo.
  • Sim, todo mundo coloca as malas no chão. Não, você não pode usar todo o espaço livre no quarto pra espalhar suas tralha. Sinto muito que você trouxe duas malas de 20kg prum quarto compartilhado de hostel, de fato é inconveniente pra caramba, mas nós precisamos de espaço também então empilha suas coisas aí.
  • Mais uma com relação ao espaço. Eu estou no beliche de cima. Tenho que escalar até minha cama e pra isso preciso usar a escada. Por favor, tire suas toalhas, suas calcinhas e suas cuecas do caminho. Ah, você não se importa que eu saia pisando em tudo? Tire assim mesmo porque eu me importo.
  •  À noite, as cortinas ficam fechadas, e devem continuar fechadas até pelo menos oito da manhã.
  • Se você sabe que ronca MUITO ou que fala MUITO durante o sono, mas não está disposto a pegar um quarto individual, não fique puto/a quando outra pessoa te acordar no meio da noite. É você ou nós.
  • Querida inglesinha: se você quer tomar um banho de uma hora, seguido de mais quarenta minutos de secador, faça isso num horário em que o hostel está vazio. Às nove da manhã, todos estamos acordando: queremos fazer xixi, escovar os dentes, talvez trocar de roupa com um pouco de privacidade. Só tem um banheiro no quarto, que tal um pouquinho de desconfiômetro?
  • Querido alemãozinho: acho ótimo que você está se exercitando no quarto, se mantendo saudável e em forma. Sério mesmo! É muito importante e eu te admiro pela determinação. Mas que tal colocar um short ou uma cueca? Eu sei que está calor, mas intimidade tem limites.
  • Você largou suas coisas na minha cama? Elas vão pro chão – não é obrigação minha saber qual cama/prateleira é a sua, nem arrumar sua bagunça.
  • E pra fechar com chave de ouro: nunca, jamais, em hipótese alguma traga seu date pro quarto. Eu nem acredito que tenho que falar isso, mas ainda tem gente que acha razoável transar num dormitório compartilhado. Sério cara? Sério moça? Que seu carma os alcance em breve e que mil mosquitos piquem vocês bem entre os dedinhos dos pés!

Pronto, falei.