Vou começar esse post já com uma dica: se algum dia você for à Galápagos (sim, as ilhas Galápagos do Darwin), não planeje nada. N-A-D-A. Tá, eu sei, é difícil se jogar assim num lugar estranho, sem saber se vai dar certo – e às vezes não dá mesmo e você quebra a cara. Mas em Galápagos não só funciona como vale muito a pena!

O arquipélago normalmente é caríssimo de se visitar e acaba ficando fora do roteiro de muitos mochileiros. Mas se você der uma chance, logo no aeroporto vai encontrar várias empresas vendendo pacotes completos – hotel, passeios, transporte e até alimentação – por metade do preço que você pagaria se planejasse tudo sozinho. É a lógica inversa de todos os outros lugares do mundo, mas é isso mesmo.

Então foi o que fiz. Cheguei no aeroporto de Baltra, o principal de Galápagos, sem a menor ideia do que fazer ou pra onde ir, e fui logo abordada por um senhor, o Freddy, que me vendeu um dos tais pacotes a preço de banana. E olha que eu abri mão de uma ilha inteira porque queria tempo livre pra mergulhar! Um pacote “normal” te dá dois dias em cada uma das ilhas mais famosas – Santa Cruz, San Cristóbal e Isabela -, e ainda te dá um passeio rápido em mais uma (a minha foi Floreana). Uma semana ao todo. Não é o suficiente, mas já tá de bom tamanho.

IMG_20140127_135818
As lindas águas de Santa Cruz.
DSCF1010
Os vulcões de Isabela

 

IMG_20140202_153948
E os leões marinhos que estão em todos os lugares.

Minha estadia em Santa Cruz foi perfeita. Eu tinha uma suite num hotel chiquérrimo, o Freddy me buscava e me levava pra jantar aonde eu quisesse, e eu fiz os melhores mergulhos da minha vida. Dois dias absolutamente maravilhosos.

Mas em Isabela, pelo menos a princípio, as coisas não foram assim tão fáceis. Eu cheguei lá depois de algumas horas de barco (todo o transporte entre as ilhas é feito de barco e é bem demorado – se você costuma passar mal, leve muitos dramins), com meu recibo assinado pelo Freddy, esperando encontrar alguém já de prontidão segurando uma plaquinha: Patrícia.

Mas não foi muito bem isso que aconteceu quando o barco finalmente chegou ao porto. Aos poucos as outras pessoas foram se dispersando, entrando em seus carros, encontrando seus guias, e eu acabei por ficar completamente sozinha. Cadê minha pessoa com a plaquinha? Não veio. O píer fica a dois quilômetros da principal e única vila da ilha, Puerto Villamil. Carregando duas mochilas, e sob o maravilhoso sol escaldante do equador ao meio dia, não seria uma caminhada fácil. Nenhum táxi ou transporte em vista. E agora?

IMG_20140201_140635
O píer de Isabela sempre tem alguém simpático pra te receber! Mas não exatamente quem eu estava esperando…

Aí começou a bater o medo. Será que fui passada pra trás? Sim, deve ter sido isso, era bom demais pra ser verdade. O Freddy me engabelou direitinho lá em Santa Cruz, mas nessa ilha eu não tenho hotel nem passeio nem nada marcado; vou ter que achar tudo sozinha e pagar tudo de novo. Que idiota, eu sou.

Mas olhando em volta, vejo que não estou completamente sozinha; e o moço também me viu. Ele percebe que estou completamente perdida e vem me resgatar. Se chama Ricardo e, como o Freddy, trabalha para uma agência de turismo. Mas, ao contrário do Freddy, que é um senhor gordinho e desengonçado de meia idade, esse moço deve ser o homem mais bonito que eu já vi na vida. Estava ali no píer justamente pra arrendar algum turista despreparado que precise de ajuda.

Tentando não encarar demais (caramba, ele é lindo mesmo!), eu explico que em teoria já tenho hotel e tudo mais, e ele logo se oferece para ajudar.

Pronto. Agora esse aqui vai querer me passar pra trás também e tentar me vender um monte de coisas. Mas eu não podia estar mais enganada, ele realmente queria me ajudar – e basicamente resolveu minha vida. Me levou de carro até um hotel, descobriu o nome da minha agência, achou o Freddy, achou meu hotel e me levou até lá. Isso tudo com um sorriso enorme no rosto e a animação de uma cheerleader.

Muitíssimo obrigada pela ajuda, moço bonito, não sei o que teria feito sem você. Adeus e tenha uma boa vida!

Com essa brincadeira acabei perdendo o almoço, mas tudo bem; ainda estou em tempo de me juntar ao resto do grupo para o passeio da tarde. Aliás, o grupo – um americano, uma equatoriana, uma dinamarquesa e um holandês – é absolutamente fantástico, e nós passamos um ótimo primeiro dia conhecendo a vida selvagem da ilha.

DSCF0935
Vir à Galápagos é: ficar de saco cheio de tanto ver tartarugas gigantes (que na verdade não são tartarugas, são jabutis).
DSCF0955
Iguana também tem aos montes

Ao final da tarde, no caminho de volta, pedimos para o motorista nos deixar na praia ao invés de no hotel. Como Puerto Villamil é minúscula e dá pra fazer tudo em volta a pé, não vamos mais precisar de transporte.

IMG_20140131_180144
Isabela tem praias ótimas logo ali na esquina da vila principal.

Estamos à caminho do bar que o motorista nos recomendou quando vejo alguém correndo na praia em nossa direção, braços abanando no ar. Está gritando meu nome.

Pare o carro, pare o carro, pare o carro! Eu vou descer aqui mesmo!

Você conhece aquele maluco?

Sim, conheço! Ele me salvou hoje.

E eu achei que ele merecia um post.